São Paulo, segunda-feira, 26 de junho de 2017 - 16:07.

Livro Acessível Universal - Página inicial [1].

Desacordo com Editora Melhoramentos.

Com relação a Editora Melhoramentos, www.melhoramentos.com.br Site externo., ocorreu aquilo que eu mais combato e critico dentro de minha luta por autonomia, direito de escolha e cidadania das pessoas com deficiência e que precisam acessar os livros e a leitura. Refiro-me a interferência descabida de uma instituição de assistência à pessoa cega e que foi no caso a Fundação Dorina Nowill.

Vinha eu tentando estabelecer uma relação madura e comercial, entre produtor e consumidor, com a empresa, quando de repente "atravessa o samba" um representante da Fundação Dorina Nowill, dizendo a respeito da possibilidade que eu teria de conseguir rapidamente o livro que desejava gratuitamente na Fundação, uma vez que a editora não poderia me vender ou ceder os arquivos digitais da obra por força da Lei de Direitos Autorais e conseqüente medo da pirataria.

Fiquei surpreso com aquela triangulação de comunicação, afinal, todos os meus contatos haviam sido feitos até então exclusivamente com a editora. Mais surpreso ainda com a interferência descabida daquela instituição assistencial em uma relação que eu estava tentando que fosse estritamente comercial.

Como sempre não aceitei aquela intervenção, menos ainda aquele oferecimento do livro como um donativo, como a dizer que eu apenas por ser cego tivesse que aceitar uma postura estritamente caritativa da sociedade para comigo.

A relação se desgastou e fui forçado a buscar meus direitos junto ao Ministério Público Federal, no qual protocolei representação contra a Editora Melhoramentos por discriminação e preconceito.

Veja essa história no link: "Ações judiciais contra editoras".

Por enquanto só posso expressar meu profundo pesar contra a Editora Melhoramentos.

Fiquem com o histórico abaixo:

Primeira tentativa de compra:

São Paulo, 28 de Agosto de 2005.

À Editora Melhoramentos Ltda.
A/C.: Srs. Editores.

Prezados senhores,

Meu nome é Naziberto Lopes de Oliveira e sou estudante de Psicologia na Universidade São Marcos. Sou pessoa com deficiência visual total e, assim sendo, solicito o obséquio de me fornecerem uma cópia acessível do livro "Perdas Necessárias" de Judith Viorst, publicado por essa editora.

Esclareço que preciso adquirir o livro em formatos acessíveis aos programas de computador que possuo, conhecidos como leitores de tela. O que tenho é o "Virtual Vision", fabricado e distribuído pela Micro Power do Brasil. Os arquivos precisam estar em algum dos seguintes formatos: .doc, .rtf ou .txt.

Adianto que não sou leitor de braile, apesar de cego, pois minha deficiência foi adquirida após a idade adulta e optei pelas tecnologias assistivas da informática e seus programas leitores de tela atualmente existentes.

Solicito a gentileza de me posicionarem a respeito do valor do livro e a forma pelo qual eu possa fazer o pagamento.

Para maiores informações a respeito dos leitores de tela que mencionei podem consultar no seguinte endereço: www.micropower.com.br Site externo..

Sem mais, aguardo um posicionamento positivo por parte dos senhores, afinal, o acesso a esse livro é de fundamental importância na continuidade de meus estudos acadêmicos.

Atenciosamente,

Naziberto Lopes de Oliveira

Primeira resposta automática da editora:

From: sac (Editora)
To: consceg@yahoo.com.br
Sent: Sunday, August 28, 2005 3:09 PM
Subject: Out of Office AutoReply: Fale Conosco

Sua mensagem foi recebida com sucesso.

Responderemos em breve.

Atenciosamente,

FABIANA LASELVA
Editora Melhoramentos
SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor)
Tel: (11) 3874-0900

Primeira resposta humana da Editora Melhoramentos:

From: sac (Editora)
To: consceg@yahoo.com.br
Sent: Wednesday, August 31, 2005 5:17 PM
Subject: RES: Fale Conosco

Boa Tarde Sr. Naziberto,

Informamos que o senhor pode conferir em nosso site todas as formas possíveis de adquirir o titulo desejado e em caso de duvidas, nos informar através do mesmo.
Segue abaixo o endereço de nosso site: www.livrariamelhoramentos.com.br Site externo..

Atenciosamente,

Rafael.
Editora Melhoramentos - Depto. MKT
tel.: (11) 3874-0443/ fax.: (11) 3874-0940
Rua Tito, 479 - Lapa - São Paulo - SP - CEP 05051-000
home page: www.livrariamelhoramentos.com.br Site externo.

"Os melhores autores, os melhores livros."

Segunda tentativa de compra:

À Editora Melhoramentos Ltda.
A/c: Rafael.
Depto. de Marketing.

Sr. Rafael, bom dia, sou eu de novo, lembra-se de mim? Sou o Naziberto Lopes de Oliveira, estudante de Psicologia da Universidade São Marcos. Contatei-os a respeito da aquisição do livro "Perdas necessárias" de Judith Viorst, solicitando o mesmo em formato acessível para minha peculiaridade de leitor cego, nos padrões .txt, .doc ou .rtf, todos padrões do editor de textos mais conhecido no mundo que é o MS-WORD.

Segundo sua resposta o Sr. Me informou que entrasse no sítio da livraria Melhoramentos e escolhesse o formato que desejasse. Fiz isso, tanto que colo abaixo a sinopse do livro referido que encontrei no sítio dos Srs. a disposição informando o preço e indicando um link para efetuar a compra. Como não percebi nada a respeito de livro acessível para cegos, nem em formato braile ou formato digital, volto a comunicar-me com o Sr. Para solicitar o meu melhor esclarecimento.

Novamente lhe pergunto então: Como posso adquirir esse livro em formato acessível para leitores cegos?

Aguardo ansioso sua resposta, pois como disse, essa obra é de fundamental importância para minhas perspectivas de formação em Psicologia.

Atenciosamente,

Naziberto Lopes de Oliveira.

Sinopse do livro disponível no sítio da Livraria Melhoramentos:

Perdas Necessárias
Revisado, com nova diagramação e com a capa desenvolvida por Moema Cavalcanti, Judith Viorst, em Perdas Necessárias, alia sensibilidade e bom humor, para entendermos a perda como uma experiência necessária para o crescimento emocional.

Quando pensamos em perda, pensamos na morte das pessoas que amamos, em abandonar e ser abandonado, separações e partidas. Perda é muito mais do que isso, inclui a perda do consciente e inconsciente, de sonhos românticos, ilusões de segurança, expectativas impossíveis, ilusões de liberdade, fim da juventude.

"Essas perdas são parte da vida - universais, inevitáveis, inexoráveis. E essas perdas são necessárias porque para evoluir temos de perder, abandonar e desistir." Perdas Necessárias aborda o elo vital entre nossas perdas e ganhos, as coisas das quais desistimos para podermos crescer.

A autora acredita que durante a vida, abrimos mão de alguns do nossos mais profundos vínculos com outras pessoas, que precisamos enfrentar os sonhos que sonhamos bem como nossos relacionamentos mais íntimos e, por mais inteligentes que sejamos, temos que perder. Judith Viorst dividiu o livro em quatro partes:

- "O Eu Separado" - nesse capítulo, a autora aborda perdas relativas ao contato com a mãe, e as transformações e conseqüências que esse fato pode gerar;
- "O Proibido e o Impossível" - parte do livro dedicada aos romances impossíveis, sexo, sexualidade, responsabilidades de adultos e o sentimento de culpa com ações que aparentemente são proibidas;
- "Conexões Imperfeitas" - aborda as perdas ligadas à renúncia dos sonhos ou dos relacionamentos ideais, a favor das realidades humanas adquiridas com o passar do tempo;
- "Amar, Perder, Abandonar, Desistir" - neste último capítulo, foi focada a segunda metade da vida, a perda final e a desistência.

Perdas Necessárias, que já vendeu mais de 100 mil exemplares no Brasil, foi escrito para estudantes e profissionais de psicologia e para todas as pessoas que querem entender a vida como um longo caminho de despojamento e de adaptações às inevitáveis mudanças.

Sobre a autora ? Nascida e criada em New Jersey, Judith Viorst formou-se em História e, seis anos depois, graduou-se no Washington Psychoanalytic Institute. De lá pra cá, Viorst escreveu várias coleções de poemas para adultos, quatro livros de não-ficção, entre eles o sucesso imbatível no mundo todo, Perdas Necessárias (atualmente, no Brasil, está na 25º edição) e Controles Imperfeitos, ambos pela Editora Melhoramentos. Grande parte de suas obras - tanto para adultos quanto para crianças - foram publicadas em todo o mundo e vários de seus livros infantis tornaram-se filmes.

Perdas Necessárias
de Judith Viorst; tradução de Aulyde Sores Rodrigues; capa de Moema
Cavalvancati;13,5 x 20,5cm; 336 págs.
Série Comportamento
Preço: R$ 39,00
COMPRE AGORA.

Terceira tentativa de compra:

À Editora Melhoramentos Ltda.
A/C: Rafael.

Prezado Senhor,

Como parece que ainda não fui compreendido em minha requisição a respeito do livro Perdas Necessárias, pela terceira vez reforço que preciso do mesmo em formato digital, acessível para pessoas com deficiência visual ou cegas, que é o meu caso.

Se a edição em papel já esgotou, isso não vem ao caso, pois o que preciso é o conteúdo do livro apenas, gravado num cd em formato acessível, .TXT, .DOC ou .RTF e esse formato jamais se esgota.

Espero resposta positiva para mais essa solicitação, caso contrário, penso que terei de procurar outros meios de fazer valer meu direito de consumidor, leitor, estudante, pessoa com deficiência visual e cidadão brasileiro.

Atenciosamente,

Naziberto Lopes de Oliveira.

Quarta tentativa de compra:

À Editora Melhoramentos
A/C: Srs. Alfredo Weiszflog e Rafael.

Prezados senhores,

Agradecendo a carta do Sr. Alfredo e a disponibilidade do Sr. Rafael, sou obrigado a confessar que notei alguns aspectos super interessantes nessa minha tentativa de adquirir um livro dentro de minhas condições financeiras e especificidades de leitor com deficiência visual.

O primeiro deles é a minha estranheza para o fato de que uma relação completamente comercial, como foi a minha intenção inicial para com a Editora Melhoramentos, tenha tomado um caráter tão dramático a ponto de mobilizar tanta gente.

Um outro aspecto interessante é a interferência de terceiros nessa relação consumidor/empresa editorial, entre eles até mesmo o Daniel Monteiro, um conhecido meu, a quem até agradeço por tentar ajudar, porém, em nenhum momento solicitei esse apoio na transação comercial em questão, pois não o vejo como representante de vendas da referida editora. Ademais, minha requisição foi feita única e diretamente a Editora Melhoramentos, através de seu site de vendas on-line, www.melhoramentos.com.br Site externo..

Mais um aspecto estranho para mim, foi a primeira resposta que me deram na Editora, me direcionando para que fosse solicitar o mesmo livro na Fundação Dorina Nowill, outro terceiro na relação, atitude que, aliás, o Sr. Alfredo repete nesse momento.

Muito estranho mesmo, pois não sou freqüentador, associado, usuário ou vinculado de alguma forma a essa Fundação. Por que será que insistem tanto em associar minha pessoa a ela? Será pelo simples fato de que sou cego? Recuso-me a crer nisso, pois se o fizer, tenderia a crer também que a Fundação Dorina tem como patrimônio reservado o desejo de leitura de todos os cegos do Brasil. Isso seria plausível? Obviamente que não, pois não seria possível, ela certamente não daria conta da demanda e nem mesmo da diversidade de escolhas.

Quanto a essa última informação, posso afirmar categoricamente, pois acabo de receber uma carta da Fundação Dorina, dizendo especificamente isso, ou seja, diante de uma solicitação hipotética de minha parte por alguns livros para a universidade, a resposta foi negativa.

Fico estupefato com a repercussão que isso tomou. Um jogo de empurra, uma procrastinação interminável, e o livro que preciso não chega as minhas mãos, meu direito de consumidor livre e autônomo é constantemente desrespeitado, entretanto o tempo passa e os compromissos nos estudos não esperam. Se a simples vontade de adquirir um livro de 300 páginas já denota um turbilhão desses, imagino o que teria acontecido ou o que acontecerá quando minha vontade for de adquirir a Enciclopédia Britânica completa.

Bem, mas estou respondendo ao Sr. Alfredo, pois parece, nesse momento, ser o representante da referida editora, embora tenha iniciado meus contatos com o SAC, na pessoa do Sr. Rafael. Sendo assim, respondendo as alegações da Editora relacionadas em mensagem original abaixo, respectivamente teria o seguinte a dizer:

1 - No que diz respeito aos fotolitos, muito me estranha essa alegação, pois para que um fotolito exista, pelo que sei, é necessário que antes tenha existido uma fonte para impressão daquela lâmina, e geralmente essa fonte é o texto eletrônico, o texto digital, que é exatamente o que preciso. Outro ponto que fico pensando é o enorme trabalho de tradução que foi feito para gerar essa versão em português, por Aulyde Sores Rodrigues, trabalho esse que teria sido simplesmente descartado após a geração do fotolito? Acredito que seria um enorme desperdício de tempo e de dinheiro.

2 - O fato de não costumarem comercializar dados em formato texto com as extensões do tipo .txt, .doc ou .rtf, por terem receio da proliferação não autorizada dos dados. Isso implica em me acusar antecipadamente de ladrão ou "pirata", seria isso? Penso que sim, pois não estão querendo me fornecer os dados, em caráter privado e pessoal, indicando a provável reprodução deliberada, e a conseqüente distribuição criminosa da obra.

Nesse caso me caberia a seguinte pergunta: Por acaso as preocupações da Editora Melhoramentos com relação à reprodução xerográfica dos livros impressos a tinta também são nessa proporção? Se sim, então acredito que não devem estar comercializando o livro em formato convencional com ninguém, pois todo comprador seria um suposto criminoso fotocopiador e distribuidor potencial.

Informo, mesmo sabendo que não seria preciso, que o livro é para meu uso pessoal, minha biblioteca particular e tenho o direito até mesmo de me tornar um criminoso caso queira, mas isso é uma questão de escolha e me reservo o direito a ela. Ciente de que deverei responder nas formas da lei por lesão aos direitos autorais de quem for, e sabemos que a lei não admite ignorância a seu respeito.

3 - A disponibilidade da Fundação em me fornecer os livros nos formatos descritos no item 3, braile ou áudio, não me interessam, primeiro porque não sei ler braile, não fui alfabetizado dessa maneira e nem me interessa sê-lo. Depois o livro áudio é muito pobre no que diz respeito à interação com a leitura. Preciso do livro para acessar interativamente, poder fazer marcações, colher alguns dados importantes para referenciar em futuros trabalhos acadêmicos, etc., e o livro áudio nem de longe me dá essa possibilidade. E uma curiosidade sobre esse aspecto, é que para se produzir o braile, há a necessidade básica da existência do texto eletrônico. Pergunto, como a Fundação o teria conseguido?

Um último aspecto muito importante e fundamental em tudo isso é o de que eu jamais procurei a Fundação Dorina para esse propósito, ou seja, comprar o livro em questão. Repito mais uma vez que meu negócio estava sendo tratado diretamente com a Editora Melhoramentos e somente com ela, afinal, livros são produtos basicamente de editoras e livrarias. Como disse antes, por três vezes, minha necessidade é o livro em formato texto eletrônico, digital, acessível aos meus programas editores de texto e leitores de tela. Nenhum outro formato me interessa.

Agradeço a mensagem original abaixo, na tentativa de amenizar o problema, mas pelo que percebo meus direitos de leitor, consumidor, cidadão e estudante só poderão ser conquistados em outras instâncias. Sinto muitíssimo informar-lhe, assim como a Editora Melhoramentos, que irei introduzir mais um terceiro nessa querela, ou seja, o Ministério Público Federal, a fim de tentar restabelecer meus direitos. Afinal, os acordos que propuseram até aqui sempre foram no sentido de descaracterizar-me como pessoa autônoma, livre e capaz de atuar como consumidor com deveres e direitos previstos em lei.

Certo de que na Constituição brasileira está escrito que todo brasileiro é livre, tem direito ao acesso a cultura, informação, conhecimento e a educação de qualidade, entendo que isso bastaria para que a primeira resposta da Editora Melhoramentos tivesse sido de imediato a venda do livro que solicitei, no formato que preciso, e espero que não queiram ofender a minha inteligência em afirmar que é impossível fazê-lo.

Sendo assim, essa recusa e protelação, assim como essa desconsideração para minha autonomia e liberdade de escolha configura, a meu ver, discriminação, preconceito, ofensa moral, ao deixarem implícito no item 2 que sou um potencial criminoso e "pirata", entre outras questões que não cabe aqui citar, mas caberá ao Ministério Público Federal apurar e verificar se uma pessoa, pelo simples fato de ser cega, não pode ter o direito de adquirir um livro como qualquer outra, numa livraria ou editora, dentro das especificidades desse leitor.

Sem mais, com muito pesar, agradeço a atenção de todos.

Atenciosamente,

Naziberto Lopes de Oliveira.

Lista das Editoras e autores excludentes - As frustrações.

 

 

Voltar ao topo da página.

Copyright © 2008 Livro Acessível.
Todos os direitos reservados.