Você está no topo da página.

São Paulo, sábado, 18 de novembro de 2017 - 16:24.

Blog do Livro Acessível Universal - Página inicial [1].

Você está no conteúdo principal desta página.

Scanner: A salvação da leitura das pessoas com deficiência visual

Publicado em: 20 de outubro de 2010 às 8:42.

Ilustração: Foto de um scanner sendo utilizado para digitalizar livro

Ilustração: Foto de um scanner sendo utilizado para digitalizar livro

Deixamos aqui algumas dicas para pessoas com deficiência visual que precisam ler em quantidade e qualidade e que ainda, infelizmente, não podem contar com os livros em formatos acessíveis diretamente nas editoras, livrarias ou bibliotecas públicas desse país. Bom, pessoal, como ainda não temos o direito à leitura garantido no Brasil, temos que “nos virar nos trinta” e procurarmos construir nossas próprias leituras. Vamos ver até quando essa situação escandalosa vai persistir.

Na verdade não seria exatamente construirmos nossas leituras, elas já existem e são os mesmos livros impressos, formato que não nos atende, , por isso somos obrigados a reconstruir esses livros se quisermos transformá-los em formatos acessíveis à nossa condição de pessoas cegas ou com baixa visão. Nesse sentido temos que nos instrumentar com equipamentos e ajudas técnicas que, graças à inteligência humana, já existem aos montes e acessíveis a todos os bolsos e condições sociais.

Neste caso especificamente estamos falando de hardwares conhecidos como scanner e dos softwares conhecidos como O.C.R. )reconhecedores óticos de caracteres), além é claro dos softwares leitores de tela. O scanner captura a imagem de qualquer documento posicionado sobre sua lente, em seguida o O.C.R. faz a transformação daquela imagem em texto digital por meio de um processo complexo que separa imagem de texto. No final, o leitor de tela faz a leitura em voz alta e sintetizada do resultado da digitalização.

Graças a essa maravilhosa tecnologia, as pessoas com deficiência visual libertaram-se há tempos da escravidão do assistencialismo raso e reducionista. Libertaram-se há tempos da falta completa de informação a sua escolha, pois até então essas pessoas só podiam ler aquilo que seus tutores, bem ou mal intencionados, gravassem em fita k7 ou transcrevessem em braile para elas. E como todos nós sabemos, quem tem o poder de gerar a informação de uma maneira tão inescapável para outra pessoa, pode escolher dar a informação que for mais favorável para si própria é claro.

Por meio da utilização do trio tecnológico acima – scanner, O.C.R. e leitor de tela – as pessoas com deficiência visual podem com independência escolher o livro que desejam, fazendo de maneira autônoma a digitalização desse conteúdo, obtendo a informação da própria fonte original. Assim sendo, vamos ao que interessa e que é falar dos scanners e como fazer para utilizá-los.

Os preços variam muito, dependendo da sofisticação do produto, mas com certeza podemos hoje em dia adquirir aparelhos desse tipo a partir de R$ 200,00 dependendo de sua configuração e resolução de imagem, isto é, a quantidade de pontos que compõe a imagem capturada pelo aparelho. Quanto maior o número de pontos, mais definida e nítida a imagem, conseqüentemente, melhor a sua transformação posterior em texto digital.

Citando apenas algumas marcas aqui, cientes que existem muitas outras, teríamos scanners HP, CANNON, XEROX, EPSON, entre outras, cada qual com seu software O.C.R. característico e que pode facilitar mais ou menos a vida de quem manipula seu funcionamento dependendo da acessibilidade do programa ao leitor de tela.

Causou-nos bastante surpresa a operação de um scanner da marca PLUSTEK, o Book Reader V100. O diferencial desse equipamento é que ele dispensa a instalação do software leitor de telas para pessoas com deficiência visual, pois já contém uma síntese de voz embarcada e que é inserida no computador do usuário no momento da instalação do aparelho. Uma voz feminina, suave e bastante clara, faz a leitura em tempo real do texto durante a digitalização do livro. Para as pessoas cegas que já tem familiaridade com vozes sintetizadas, trata-se da voz da “Raquel”.

O problema do Plustek Book reader por enquanto, está no seu preço ainda um pouco acima da média para esse tipo de produto, mas que tem a tendência de queda em face da grande demanda, uma vez que é uma ferramenta realmente muito interessante para as pessoas com deficiência visual, tendo sido desenvolvida pensando-se justamente nelas. Por isso, a acessibilidade, o desempenho e a praticidade do aparelho compensam o investimento.

A operação do aparelho Plustek book reader é super simples, desde sua instalação até o momento do uso para a digitalização de livros. Para instalar é preciso apenas colocar o cd-ron de instalação na unidade específica e o programa faz o resto. Já na operação de escaneamento basta apertar um dos três botões, todos identificados em braile, para que imediatamente o aparelho entre em funcionamento fazendo a captura da imagem sobre a lente. Ao terminar a digitalização, que não dura mais do que 5 segundos por página, a voz da “Raquel” começa a narrar o resultado da digitalização.

Esquecemos de explicar, para os leigos, o que seria o software “leitor de tela”, que é na verdade um programa desenvolvido especificamente para a adaptação de computadores para pessoas com deficiência visual. Programa este que faz a varredura da tela do computador, captando toda informação textual e direcionando-a para outro programa chamado “sintetizador de voz” que faz a leitura em voz alta das informações encontradas pelo leitor de tela.

No caso específico do scanner Book reader da Plustek, o programa leitor de telas é dispensável, uma vez que o scanner ao ser instalado já insere também no computador um sintetizador de voz para a operação básica do aparelho e a leitura automática dos textos gerados. Isso o torna bastante interessante para o uso dentro de uma biblioteca, por exemplo, quando se deseja a leitura rápida de livros, inclusive, o texto digital gerado pode ser gravado em uma unidade removível para que o leitor leve consigo e possa acessar mais tarde.

Portanto, deixamos aqui a dica também para os amigos bibliotecários de espaços procurados por pessoas com deficiência visual, para pesquisarem mais sobre esse aparelho e procurarem conhecê-lo melhor. Certamente a biblioteca de vocês se tornará um espaço muito mais inclusivo e agradável para todos que o procurarem sem exceções.

FacebookCompartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Postado por: Administrador.
Arquivado na categoria: Dicas e Toques / Mitos e Lendas.

Visitado 8184 vezes, 4 foram hoje.
0 comentário

RSS dos comentários deste post.

Deixe seu comentário:

Dados do comentarista




Os mais lidos:

  1. Ilusões - Paródia sobre a farsa das 70 ações inclusivas em SP (24623 vezes)
  2. Direitos humanos e pessoas com deficiência: Chorando nossos cadáveres! (22830 vezes)
  3. DENÚNCIA!! Nova Lei de Direitos Autorais ignora direitos das pessoas com deficiência (16486 vezes)
  4. Bradesco amplia acessibilidade e inclusão!! Morra de inveja Itaú!! (15606 vezes)
  5. Eleições 2012: TSE corrige falha nas urnas acessíveis (14722 vezes)
  6. Quem escolhe o livro que voce lê? Parte 1 - Denúncia (13387 vezes)
  7. Companhia Das Letras, Editora Contexto e Grupo GEN editorial contra um leitor cego (12415 vezes)
  8. MEC: Censo Escolar 2010 aponta dados estarrecedores para alunos com deficiência (12180 vezes)
  9. Blog do livro acessível! Lançamento hoje, dia 21 de setembro (11727 vezes)
  10. Secretária Linamara e deputada Mara, que vergonha, que papelão! (11412 vezes)

Voltar ao topo da página.

Copyright © 2008 Livro Acessível.
Todos os direitos reservados.