Você está no topo da página.

São Paulo, segunda-feira, 26 de junho de 2017 - 05:45.

Blog do Livro Acessível Universal - Página inicial [1].

Você está no conteúdo principal desta página.

Revista Isto É: Discussão sobre livro braile e livro digital

Publicado em: 24 de outubro de 2010 às 18:57.

Muito interessante a reportagem da revista Isto É desta semana, edição nr. 2137 de 22 de outubro de 2010, dando abertura para um assunto tão importante e que nós do MOLLA, Movimento pelo Livro e leitura Acesssíveis, nos debatemos há anos no Brasil e que é o direito à educação por meio do acesso amplo, geral e irrestrito aos livros e à leitura por parte de pessoas com deficiência visual.

Nossa opinião é clara e pública, as pessoas precisam ter direito a escolha daquilo que for melhor para si. Não defendemos o fim disso ou daquilo, acreditamos que tudo pode conviver em harmonia e complementação, porém, Não podemos aceitar imposições dessa ou daquela parte. A noção do conceito de cidadania é construída a partir do pleno acesso ao conhecimento e isso precisa ser exercitado desde a mais tenra idade. Por isso, todos os meios de repasse desse conhecimento precisam estar disponíveis.

Parabenizamos o MEC – Ministério da Educação, pelo lançamento do programa MEC-DAISY e da imposição em seus editais de compras de livros didáticos do livro em formato digital acessível (DAISY), obrigando que as editoras produzam essa leitura diretamente.

Parabenizamos também o Instituto Padre Chico que vem demonstrando cada dia mais uma visão atualizada e abrangente da necessidade de oferecer oportunidades diversas de acesso à leitura e ao conhecimento às crianças que ali estudam.

Certamente a continuidade e ampliação de iniciativas como estas contribuirão substancialmente para que tenhamos igualdade de condições na formação das pessoas com deficiência em relação as demais pessoas, tornando a competição por um lugar ao sol em sociedade mais justa e equilibrada.

De resto, fica o discurso antiquado daqueles que sempre viveram do atraso e da dependência extrema das pessoas com deficiência. O discurso desses pseudo líderes repousa mais sobre o medo de perderem seu controle sobre a massa de pessoas com deficiência visual, consequentemente seu poder de influenciarem suas escolhas, do que a preocupação verdadeira com a educação e o futuro dessas crianças. Exemplo claro dessa postura medieval é A posição do Sr. Schroeder, simplesmente deplorável ao questionar a importância das tecnologias em uma sociedade do conhecimento.

Para nós, o jovem Giovany, da reportagem, é o símbolo de um novo tempo, por isso comemoremos!

Fiquem com a matéria…

É o fim do braile?
Tecnologias facilitam acesso dos cegos ao conhecimento, mas os afastam da leitura pelo tato
Rodrigo Cardoso

Até dezembro, todos os 4.300 alunos com cegueira total do ensino fundamental e médio matriculados nas escolas pú­blicas do País irão receber um laptop com um sintetizador de voz que lê para eles o texto da tela. Dois mil já foram beneficiados e navegam nessa possibilidade, segundo o Ministério da Educação (MEC). Em fevereiro, mais tecnologia será despejada na carteira dos estudantes cegos que cursam do 6º ao 9º anos: uma coleção de 380 obras didáticas no formato digital Daisy. Abreviação para Sistema Digital de Acesso à Informação, a solução tecnológica batizada aqui de Mecdaisy permite ao aluno interagir com o livro digital, podendo pausar, pular ou retornar às páginas e capítulos, anexar anotações aos arquivos da obra e exportar o texto para impressão em braile, o sistema de códigos que possibilitou aos deficientes visuais o acesso à escrita e à leitura a partir do século XIX.

Embora o braile ainda seja defendido e aplicado pelas instituições de ensino durante a alfabetização, já há correntes de educadores que temem um afastamento dos estudantes com cegueira da leitura feita com os dedos por conta desses dispositivos tecnológicos (leia à pág. 78). “Está ocorrendo uma desbrailização”, afirma o professor de geografia e história Vítor Alberto Marques, do Instituto Benjamin Constant, entidade pioneira para cegos no Brasil. “A criança acha chato ler em braile e está migrando para outras tecnologias”, diz ele.

O problema foi discutido na convenção anual que a Federação Nacional dos Cegos dos Estados Unidos realizou no ano passado. No evento, painéis com o slogan “ouvir não alfabetiza” foram espalhados para chamar a atenção para um dado alarmante: 90% das crianças americanas com deficiência visual estão crescendo sem aprender a ler e a escrever, segundo o vice-presidente da organização, Fredric Schroeder. Isso ocorre porque estão escravas de inovações como serviços telefônicos que leem jornal e leitura em voz alta de e-mails. “Essas tecnologias promovem um tipo passivo de leitura. Só por meio do braile o cérebro do deficiente visual absorve letras, pontuação e estrutura de textos”, defende Schroeder.

Mas o fato é que, hoje, o braile não reina mais sozinho na sala de aula. No Instituto de Cegos Padre Chico, em São Paulo, que possui 99 alunos carentes e segue a cartilha da Secretaria de Educação do Estado, os estudantes encaram, antes da alfabetização, exercícios que os preparam para o mundo digital. “Incentivamos a utilização do braile por meio de concursos de redação e de leitura”, diz a professora de informática Cynthia Carvalho. “Mas o contato com o computador, entre outras coisas, coloca a pessoa com cegueira em um patamar de igualdade.”

Aluno do 5º ano do ensino fundamental, Giovany Oliveira, 11 anos, mostra, com as mãos no teclado, um pouco da sua desenvoltura no computador. O garoto, que nasceu sem visão, digita na tela e indica as teclas que o permitem ler, por meio de uma voz que sai da caixa de som, palavra por palavra ou a sentença toda. “No computador eu leio escutando. E o braile é legal porque aprendo como se escreve a palavra”, compara.

O Mecdaisy fará parte do currículo escolar, oficialmente, em 2011, para jovens matriculados a partir do 6º ano. Esse software sonoro de livro digital, porém, só será aplicado nas disciplinas de português, história, geografia, ciências, e línguas estrangeiras. Matemática, física e química, por conta dos símbolos gráficos, seguem sendo ensinadas apenas em braile. Crianças matriculadas até o 4º ano receberão material didático só em braile.

Para a deficiente visual Martinha Clarete Dutra dos Santos, diretora de políticas de educação especial do MEC, audiolivros, leitores de tela e livros digitais são, no Brasil, ferramentas complementares no processo de aprendizagem do deficiente visual. “A tecnologia é um elemento de inclusão social no País”, diz. “Mas é preciso cuidado para que não haja uma desbrailização por conta dá má utilização dessas inovações”, pontua Moysés Bauer, presidente da Organização Nacional dos Cegos do Brasil.

“A tecnologia é um elemento de inclusão social”
Martinha dos Santos, diretora de políticas de
educação especial do MEC

Na convenção da federação dos cegos americanos circularam histórias de crianças que não sabiam o que era um parágrafo, que questionavam o porquê das letras maiúsculas ou o porquê de a expressão “felizes para sempre” ser composta por palavras separadas.
Foram prejudicadas, segundo Schroeder, pelo vício de somente ouvir o que um software reproduz. “Essas tecnologias são sinal de progresso?”, indaga.

O estudante Giovany, ao ser perguntado se ainda gostava de ler em braile, confessou, sussurrando: “Todo dia, das 17h às 18h30, tenho de ler um livro em braile para minha mãe. A psicóloga me pediu.” Após descobrir as maravilhas do computador, o garoto não queria saber de outra coisa e dava escândalo se alguém o contrariasse. Um trato, então, foi feito para colocá-lo na linha e manter o gosto pelo braile. Giovany ganhou um computador e só pode usá-lo se cumprir uma rotina de leitura pelo tato. É preciso cuidar para que o desenvolvimento tecnológico não atrapalhe a alfabetização da pessoa com deficiência visual.

FacebookCompartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Postado por: Administrador.
Arquivado na categoria: Ações do MOLLA, Ensino Sinal Verde, Leitura Sinal Verde, Mídia comentada, Obscegatório Urbano.
Assuntos relacionados: , , , , , , .
Visitado 8873 vezes, 1 foram hoje.
0 comentário

RSS dos comentários deste post.

Deixe seu comentário:

Dados do comentarista




Os mais lidos:

  1. Ilusões - Paródia sobre a farsa das 70 ações inclusivas em SP (23127 vezes)
  2. Direitos humanos e pessoas com deficiência: Chorando nossos cadáveres! (22395 vezes)
  3. DENÚNCIA!! Nova Lei de Direitos Autorais ignora direitos das pessoas com deficiência (16191 vezes)
  4. Bradesco amplia acessibilidade e inclusão!! Morra de inveja Itaú!! (15325 vezes)
  5. Eleições 2012: TSE corrige falha nas urnas acessíveis (14505 vezes)
  6. Quem escolhe o livro que voce lê? Parte 1 - Denúncia (13153 vezes)
  7. Companhia Das Letras, Editora Contexto e Grupo GEN editorial contra um leitor cego (12191 vezes)
  8. MEC: Censo Escolar 2010 aponta dados estarrecedores para alunos com deficiência (11962 vezes)
  9. Blog do livro acessível! Lançamento hoje, dia 21 de setembro (11546 vezes)
  10. Secretária Linamara e deputada Mara, que vergonha, que papelão! (11184 vezes)

Voltar ao topo da página.

Copyright © 2008 Livro Acessível.
Todos os direitos reservados.