Você está no topo da página.

São Paulo, domingo, 24 de setembro de 2017 - 23:29.

Blog do Livro Acessível Universal - Página inicial [1].

Você está no conteúdo principal desta página.

Os cegos e a fundação lobista – Paródia sobre lobby contra o livro acessível para cegos

Publicado em: 15 de agosto de 2017 às 6:16.


Ilustração: Desenho da turma do Charlie Brown. A imagem principal mostra o Charlie Brown e o Snoopy, sentados um ao lado do outro, mas separados por dois livros na vertical, de capas azul claro e vermelho. O menino Charlie Brown do lado esquerdo, sentado em cima de um livro fechado, de capa verde claro, segura um livro aberto, também de capa verde claro. Do lado direito, o cachorrinho Snoopy, sentado em cima de um livro também fechado, com capa na cor laranja, segura um livro aberto de capa vermelha. Na parte superior, lado direito, outra imagem menor dos dois personagens  abraçados. Abaixo deles está escrita a palavra peanuts (amendoim em inglês), na cor preta e em letras maiúsculas.
Paródia da música “O bêbado e a equilibrista” de João Bosco e Aldir Blank.
Contextualização: Com a vigência da Lei 13.146/2015, Lei Brasileira da Inclusão, a partir de 1º de janeiro de 2016, toda editora brasileira é obrigada a oferecer suas produções também em formato acessível para pessoas com deficiência visual. Uma grande vitória da luta histórica dos movimentos independentes de pessoas com deficiência, como o MOLLA, Movimento pelo Livro e Leitura Acessíveis, o Movimento cidade para todos, o MP Acessibilidade, o visibilidade Cegos Brasil, o Cegos em Rede, entre outros. Fato este que modificou radicalmente a relação discriminatória por parte do mercado editorial brasileiro com relação a existência de pessoas com alguma deficiência impeditiva para o acesso ao livro impresso a tinta sobre papel. A partir da LBI, Art. 42, o mercado editorial é obrigado a nos reconhecer como consumidores, bem como no Art. 68, os governos em todas as suas instâncias, são obrigados a suprir bibliotecas e escolas públicas com livros em formatos acessíveis. Entretanto, a nossa vitória é constantemente ameaçada pelo lobby de instituições mercenárias que sempre viveram da exclusão das pessoas com deficiência, e em particular, em relação as pessoas com deficiência visual, existe uma verdadeira máfia instituída na cadeia de produção de livros acessíveis e que tenta de tudo para poder contnuar mantendo sua exclusividade sobre nossa leitura. Recentemente apresentaram no Brasil um medieval Tratado de Marraqeche e, por meio de seu lobby criminoso, ludibriaram deputados e senadores para aprovarem esse Tratado como emenda Constitucional. Agora, a investida desses criminosos será no sentido de modificar a Lei Brasileira da Inclusão, para que a liberdade das pessoas com deficiência visual seja revogada e voltemos aos currais desses bandidos. Por isso, devemos ficar atentos e vigilantes. Nossa liberdade não pode ser perdida.

Letra adaptada:

Podia, o povo cego ser mais culto
Se o acesso fosse infinito
A todo livro escrito.
Na boa, poder formar-se bacharel
Depois de toda academia, no dedo por anel.
Scanners! nA conversão do texto de papel
Deixavam letras alteradas, asteriscos
saco! Pra corrigir lá vai um troco
Mercado livreiro não previu
Desenho universal, digital.
Vergonha, da máfia que sempre interferiu
Que o nosso acesso impediu
Faz cego de joguete.
Agora, a lei da inclusão surgiu
Que Obriga toda editora, a ser bem mais gentil.
Mas sei, que uma entidade tão farsante
Não larga o osso facilmente
Faz trapaça! Lança! O tratado da carochinha
Tentando sabotar quem vinha, o cego libertar
Fala!
Pra essa fundação lobista
Saibam que os cegos tão na pista
Ninguém vai nos parar

Ouça a música original em:

FacebookCompartilhar no Facebook

Twitter.Publicar no Twitter.

Postado por: Administrador.
Arquivado na categoria: Ações do MOLLA, Dicas e Toques / Mitos e Lendas, Leitura Sinal Vermelho, Mídia comentada, Obscegatório Urbano, Z nula.
Assuntos relacionados: , , , , , , , .
Visitado 626 vezes, 7 foram hoje.
0 comentário

Esperando na esquina – Paródia sobre falta de semáforos sonoros para cegos na Cidade de São Paulo

Publicado em: 1 de agosto de 2017 às 5:14.


Ilustração: Dentro de um balão azul o desenho de um semáforo, exibindo as 3 cores características, vermelha, amarela e verde, porém, na cor amarela, alguns  elementos gráficos dão a entender que existe algum tipo de som sendo emitido ali.
Da música: “Esperando na janela” de Gilberto Gil
Contextualização: Na cidade de São Paulo está para ser sancionado, pelo prefeito João Doria, o Estatuto do Pedestre. Em seu Art. 9o, Inciso VIII, consta a previsão de instalação de semáforos com alerta sonoro, mas somente “quando necessário ou recomendável”, frente a demanda de pedestres, porém, no mesmo artigo, Parágrafo Único, consta que “…é assegurado tratamento de acessibilidade em toda a rede da Mobilidade a Pé conforme determina a Lei Brasileira da Inclusão”. Assim, Queremos lembrar que na Lei Brasileira da Inclusão, 13.146/15, foi atualizada a obrigatoriedade de sonorização para todos os semáforos em vias públicas de grande circulação de pedestres, originalmente presente na Lei 10.098/00, Lei da Acessibilidade. Sendo assim, não tem sentido a essa altura falar-se em necessidade ou recomendação. Trata-se de obrigatoriedade a instalação de sonorização dos semáforos das vias de grande circulação e ponto. Certamente isso deve abarcar todos os cruzamentos centrais da cidade. Entretanto, recomendamos ao prefeito Doria que adquira equipamentos em Desenho Universal, ou seja, que todos os semáforos possuam a capacidade de sonorização dependendo da necessidade. O custo será menor do que fazer a adaptação dos equipamentos depois de instalados. E, por gentileza, mais uma coisa prefeito Doria: Nem pensar nas nojentas botoeiras externas de acionamento, os semáforos devem ter a sonorização automatizada, pois o senhor sabe que a falta de higiene e o vandalismo desestimulam o uso desses dispositivos de acionamento. As pessoas cegas querem chegar em uma esquina e simplesmente aguardar o sinal abrir, como qualquer outra pessoa. Prefeito Doria, contamos com o senhor para que a cidade de São Paulo, fora da lei desde o ano2000 nesse quesito, deixe de ser uma vergonha.

Letra adaptada:

Fico esperando para atravessar
um som pra ajudar, mas ele não vem
se bobear eu fico o dia inteiro
se o meu prefeito age com desdém.
O secretário só se faz de sonso
nesse tempo todo não disse ao que vem
e eu cansado apelo ao João prefeito
cadê meu direito para circular
e nesse xote expresso meu desejo
de um sinal sonoro, um dia encontrar

Por isso peço ao seu João Doria aiai
sinal sonoro em toda esquina vai
cego não vai só na Dorina aiai
toda cidade é meu lugar.
Por isso peço ao seu João Doria aiai
sinal sonoro em toda esquina vai
cego não vai só na Dorina aiai
toda cidade é meu lugar.

Bis

Ouça a música original em:

FacebookCompartilhar no Facebook

Twitter.Publicar no Twitter.

Postado por: Administrador.
Arquivado na categoria: Ações do MOLLA, Dicas e Toques / Mitos e Lendas, Mídia comentada, Obscegatório Urbano, Z nula.
Assuntos relacionados: , , , , , , , , , , , , , .
Visitado 675 vezes, 10 foram hoje.
0 comentário

Os mais lidos:

  1. Ilusões - Paródia sobre a farsa das 70 ações inclusivas em SP (23723 vezes)
  2. Direitos humanos e pessoas com deficiência: Chorando nossos cadáveres! (22649 vezes)
  3. DENÚNCIA!! Nova Lei de Direitos Autorais ignora direitos das pessoas com deficiência (16356 vezes)
  4. Bradesco amplia acessibilidade e inclusão!! Morra de inveja Itaú!! (15499 vezes)
  5. Eleições 2012: TSE corrige falha nas urnas acessíveis (14616 vezes)
  6. Quem escolhe o livro que voce lê? Parte 1 - Denúncia (13311 vezes)
  7. Companhia Das Letras, Editora Contexto e Grupo GEN editorial contra um leitor cego (12323 vezes)
  8. MEC: Censo Escolar 2010 aponta dados estarrecedores para alunos com deficiência (12103 vezes)
  9. Blog do livro acessível! Lançamento hoje, dia 21 de setembro (11654 vezes)
  10. Secretária Linamara e deputada Mara, que vergonha, que papelão! (11311 vezes)

Voltar ao topo da página.

Copyright © 2008 Livro Acessível.
Todos os direitos reservados.